Uma direcção. As horas a passar. O nascer-do-sol. Uma árvore frondosa. Um sorriso espontâneo. Uma janela aberta para ver o mundo girar.
Não só ver. Participar. Contribuir. Girar com ele. Porque o mundo não pára e a vida também não.

A direction. The sunrise over the ocean. A leafy tree. A spontaneous smile. An open window to see the world turning. Not just see.
To participate. To contribute. To turn in the same direction. Because the world keeps turning and so does life.

domingo, 18 de outubro de 2009

O apelo a escalar...

... cada vez mais altos montes, diz uma canção dos meus tempos de escutismo. Só percebe este apelo quem sentiu a adrenalina que acompanha a chegada ao topo e o vislumbre da paisagem majestosa à nossa frente. Nesse momento esquece-se (pelo menos por uma hora) do cansaço das pernas, dos arranhões, dos ombros doridos de carregar a mochila, da noite mal-dormida no chão de um refúgio, do frio que ataca os ossos, da comida mal cozinhada, das bolhas nos pés... parece mau? Não. É uma sensação fantástica, isto da descoberta, não só das montanhas como da nossa força. Já tinha saudades.


terça-feira, 6 de outubro de 2009

O maior glaciar da Europa...

...situa-se nos Alpes Suiços e é património mundial da Unesco (Jungfrau-Aletsch-Bietschhorn, http://whc.unesco.org/en/list/1037).

Para chegar a Aletsch, basta apanhar o comboio de Sesto Calende (a 10 km de Ipsra) para Brig e depois um outro para Mörel, onde se apanha o teleférico de Riederalp para Moosflush. Daí até à base do glaciar é um instantinho a pé e a paisagem é de cortar a respiração. Pelo menos para mim foi, que isto de ver um glaciar é coisa importante para um geógrafo :) Mesmo que se tenha que andar uma hora para apanhar outro teleférico que, afinal, estava em obras e nos obrigou a fazer o caminho de volta. Com o glaciar ao nosso lado, claro!
A paisagem tipicamente suiça
O teleférico
O glaciar