Uma direcção. As horas a passar. O nascer-do-sol. Uma árvore frondosa. Um sorriso espontâneo. Uma janela aberta para ver o mundo girar.
Não só ver. Participar. Contribuir. Girar com ele. Porque o mundo não pára e a vida também não.

A direction. The sunrise over the ocean. A leafy tree. A spontaneous smile. An open window to see the world turning. Not just see.
To participate. To contribute. To turn in the same direction. Because the world keeps turning and so does life.

sábado, 3 de janeiro de 2009

Gosto de ler…

… histórias que me façam pensar. Gosto quando, subitamente, no meio da trama do romance ou da narrativa, surge uma frase pequena que afirma muita verdade, daquelas que exprimem o que todos nós vivemos sem que nos apercebamos da sua força.
Gosto de ler Saramago, mesmo sendo difícil e com as regras de pontuação viradas ao contrário. Estas frases, pequenas jóias literárias que encerram realidades universais, comprovam a minha admiração por este escritor. Aqui vão alguns exemplos:

“Dando tempo ao tempo, todas as coisas do universo acabarão por se encaixar umas nas outras”

“A vida ri-se das previsões e põe palavras onde imaginámos silêncios, e súbitos regressos quando pensámos que não voltaríamos a encontrar-nos”

“Com as boas ideias, e às vezes também com as más, passa-se o mesmo que se passava com os átomos de Demócrito ou com as cerejas da cesta, vêm enganchadas umas nas outras”

“A dura experiência da vida tem-nos mostrado que não é aconselhável confiar demasiado na natureza humana, em geral”

“Acostumados como estamos a colocar os baixos interesses materiais acima dos autênticos valores espirituais”

“Não há dúvida de que as melhores lições nos vêm sempre da gente simples”

“Somos, cada vez mais, os defeitos que temos, não as qualidades”

In “A viagem do elefante”

Sem comentários:

Enviar um comentário