Uma direcção. As horas a passar. O nascer-do-sol. Uma árvore frondosa. Um sorriso espontâneo. Uma janela aberta para ver o mundo girar.
Não só ver. Participar. Contribuir. Girar com ele. Porque o mundo não pára e a vida também não.

A direction. The sunrise over the ocean. A leafy tree. A spontaneous smile. An open window to see the world turning. Not just see.
To participate. To contribute. To turn in the same direction. Because the world keeps turning and so does life.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Perfect timing

Ontem.
Pequeno-almoço desastroso, com uma "moka" de café entornada e a cozinha toda estornicada. Bolas, o dia começa mal. Menos mal que não houve queimaduras. Atraso de 50 minutos em relação ao planeado... vamos a ver se consigo chegar ao ISA antes do gabinete fechar para almoço. Na estação de metro, 30 segundos de espera e o metro chegou. Começa a melhorar. O autocarro na Praça da Figueira chega também em 2 minutos. Boa! No mesmo autocarro entra um colega que conheci numa conferência em Itália e pomos a conversa em dia. Vamos para o mesmo sítio e a conversa faz o tempo passar num instantinho.

Chego ao ISA e o gabinete estava aberto, em 10 minutos trato de tudo o que preciso e saio para apanhar o autocarro de regresso à Baixa, que chega em 1 minuto. Foi tudo tão rápido que a viagem de vinda ainda era válida (dura 70 minutos) e com isso poupo 1,60 Euros.
Acabadinha de me sentar recebo uma chamada, o meu irmão estava mesmo a chegar à Baixa. Fixe, vamos almoçar! E depois provar um gelado italiano do Santini (delicioso!). Por esta altura claro que já me tinha esquecido do café entornado.

Depois, loja do cidadão nos Restauradores para pedir o Cartão Europeu de Saúde. São 13h39 e tenho quase 200 pessoas à minha frente... hum, voltarei mais tarde, ou então amanhã. A conferência na Sociedade de Geografia a que assisti a seguir dura 2 horas para mim e saio para ir à Gulbenkian, a outra conferência que me interessa. Passo pela loja do cidadão só para espreitar o número de senha... são 16h45 e faltam só 3 números para a minha vez. Boa!
Trato do cartão e sigo para a Gulbenkian, mesmo a tempo de me indignar com a comitiva governamental que segue na estrada com escolta policial, obrigando todos os outros carros de pessoas normais a encostar e deixá-los passar. Vão para o mesmo sítio que eu, mas eu vou de metro e a pé e eles de BMW, Mercedes ou Audi pretos e rodeados de capangas de óculos escuros. Não sou a única a indignar-me, um senhor que caminha quase ao meu lado balbucia injúrias a quem segue na comitiva, enquanto ele se dirige também a pé à Gulbenkian. Não interessa, no fim de contas eu tenho o universo a ajudar-me com o perfect timing das minhas actividades, não preciso de capangas, de Mercedes nem de pirilampos giratórios barulhentos.
  

E regresso a casa com aquela boa sensação de dever cumprido adocicado com as boas surpresas do dia.

1 comentário:

  1. Fico feliz por saber que contribuí para o adocicar do teu dia. Temos que ir ao Santini novamente :)

    ResponderEliminar