Uma direcção. As horas a passar. O nascer-do-sol. Uma árvore frondosa. Um sorriso espontâneo. Uma janela aberta para ver o mundo girar.
Não só ver. Participar. Contribuir. Girar com ele. Porque o mundo não pára e a vida também não.

A direction. The sunrise over the ocean. A leafy tree. A spontaneous smile. An open window to see the world turning. Not just see.
To participate. To contribute. To turn in the same direction. Because the world keeps turning and so does life.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

2 de Fevereiro de 2009

O dia amanheceu branco… os flocos de neve caíam leve mas constantemente, como pedaços de céu libertos que se espalharam pelo solo. Andei enterrada em 5 a 10 cm de neve durante as várias caminhadas que tive que realizar durante o dia e tomei uma importante decisão: comprar umas botas adequadas a este tipo de tempo, daquelas que não deixam a água infiltrar-se e gelar os pés. No próximo fim-de-semana já tenho programa (compras), eu e alguns dos outros “newcomers” ainda não habituados a estas lides.
Hoje foi um dia administrativo… apresentações para ver, papelada para preencher, contrato para assinar… burocracias necessárias para o bom desenvolvimento do meu trabalho e para receber as respectivas compensações.
Ao almoço – 2,20 Euros por um prato de massa, uma grande salada, água e sobremesa (!) -, juntando uma portuguesa, outra espanhola, uma italiana e uma alemã, analisámos geograficamente várias culturas através da experiência de cada uma: 8ºC e a chover em Agosto em Inglaterra e os ingleses usam sandálias, t-shirt e comem gelados… porque é Verão (não interessa se já está frio). O à-vontade dos finlandeses em correr nus para os lagos gelados nos entretantos dos vapores da sauna. O prazer dos italianos e dos portugueses com a comida. A preferência dos espanhóis por Portugal, daqueles que vivem na proximidade da raia ocidental espanhola. Os banhos de sol dos alemães no sul de Espanha, com apenas 15ºC…
Uma das coisas mais engraçadas de ser nómada é assistir em primeira-mão às reacções de diferentes pessoas aos mesmos estímulos, dependendo da sua origem, da educação que recebeu, das experiências que viveu. E o privilégio de sentir um arrepio na pele com algumas coincidências interessantes que vão acontecendo a mando do universo: um italiano de Nápoles que conhece a Batalha; um italiano de Bruxelas que ama Lisboa; uma alemã que teve um namorado português e que vai trabalhar para o meu departamento; uma caixa de cappuccino da Nescafé à minha espera no supermercado; neve, muita neve, como nunca antes vi, no meu primeiro dia de trabalho… pequenas coisas que tornam ainda mais emocionante a minha estadia aqui.

3 comentários:

  1. Olá Índia!
    Fico feliz com teu entusiasmo!
    Tenho a certeza que vai ser uma experiência inesquecível para ti.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  2. Nómada, ehehehhe
    Estou a ver que se come barato por aí; Parece-me também que estás a gostar e penso que ainda gostarás mais com o tempo.
    Boa Sorte
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Uma das vantagens de ter espirito nómada é ter a capacidade de nos adaptarmos com relativa facilidade a novas situações. Sem esquecer as raizes que nos seguram saudavelmente à terra...

    Obrigada Joni! Beijokas

    ResponderEliminar