Uma direcção. As horas a passar. O nascer-do-sol. Uma árvore frondosa. Um sorriso espontâneo. Uma janela aberta para ver o mundo girar.
Não só ver. Participar. Contribuir. Girar com ele. Porque o mundo não pára e a vida também não.

A direction. The sunrise over the ocean. A leafy tree. A spontaneous smile. An open window to see the world turning. Not just see.
To participate. To contribute. To turn in the same direction. Because the world keeps turning and so does life.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

O Volvo do chefe

Na 5ª feira, todos nós que que trabalhamos no mesmo corredor fomos comer uma pizza à hora do almoço. Nós e algumas caras-metade, claro. Sentei-me ao lado de uma signora inicialmente desconhecida e muito simpática. No meio das apresentações ela lembrou-se que eu tinha telefonado para o seu gabinete de manhã e, por isso, tinhamos falado há poucas horas atrás. Eu, que nunca me lembro do nome das pessoas que atendem o telefone quando ligo a serviços, acreditei e fiquei aliviada por eu ter sido simpática ao telefone, por acaso a reclamação até não correu mal e não houve necessidade para exaltações.

No meio das conversas do almoço, faladas numa lingua que ainda pouco conheço e que toscamente falo, e através de gestos e olhares, percebi que esta simpática signora era a mulher do meu chefe. Fiquei muito contente por a conversa telefónica ter corrido bem... e depois ainda tive a oportunidade de regressar ao JRC no Volvo confortável e elegante do chefe e da sua esposa.

Agora posso dizer: sim, não tenho ainda bicicleta nem carro meu, mas andei no Volvo do chefe.

Sem comentários:

Enviar um comentário