Uma direcção. As horas a passar. O nascer-do-sol. Uma árvore frondosa. Um sorriso espontâneo. Uma janela aberta para ver o mundo girar.
Não só ver. Participar. Contribuir. Girar com ele. Porque o mundo não pára e a vida também não.

A direction. The sunrise over the ocean. A leafy tree. A spontaneous smile. An open window to see the world turning. Not just see.
To participate. To contribute. To turn in the same direction. Because the world keeps turning and so does life.

sexta-feira, 20 de março de 2009

Caminhos verticais

No sábado fui fazer escalada. A primeira e única vez que experimentei subir rochas foi numa actividade de escuteiros há para aí uns 12 anos. Desta vez pareceu tudo muito mais profissional, incluindo as dores musculares que vieram a seguir. Não me lembrava que era tão difícil, principalmente naquelas partes em que só cabem 2 dedos de uma das mãos na pequena saliência da rocha situada a 1 metro de distância dos meus pés, apoiados apenas nas pontas. Tarefa árdua… mas para repetir, numa outra parede sobre o lago e num ambiente de convívio alimentado pela partilha de sacos de gomas.


A vista sobre o lago e os Alpes


Sim, aquela ali sou eu... a subir

... e a descer

2 comentários:

  1. Sandra... alguém tem de te dizer estas coisas...
    Então cá vai... as dores musculares não é profissionalismo... é a chegada dos 30... é que à 12 anos era um bocadinho diferente. Não dóia nada, então no escutismo... nadinha!

    Entendo-te perfeitamente. E sábado lá vou eu a pé para Fátima... domingo eu conto-te as dores profissionais que vou ter... ehehe


    Um sorriso

    ResponderEliminar
  2. Uma aventureira sim senhor! Aos trinta já devias pensar duas vezes antes de te meteres nestas andanças! eheh Fazes muito bem, um dia vou escalar contigo!
    Beijos, bruno

    ResponderEliminar