Uma direcção. As horas a passar. O nascer-do-sol. Uma árvore frondosa. Um sorriso espontâneo. Uma janela aberta para ver o mundo girar.
Não só ver. Participar. Contribuir. Girar com ele. Porque o mundo não pára e a vida também não.

A direction. The sunrise over the ocean. A leafy tree. A spontaneous smile. An open window to see the world turning. Not just see.
To participate. To contribute. To turn in the same direction. Because the world keeps turning and so does life.

sexta-feira, 20 de março de 2009

Há coisas que não se explicam…

A pasta que levo para o trabalho tem várias bolsas e utilizo cada uma delas para arrumar coisas específicas. Assim sei sempre onde tenho o que preciso, não vá esta minha cabeça distraída fazer das suas. Nunca verifico se levo o cartão de entrada do JRC, porque sei que ele está na bolsa que lhe pertence. Hoje, por razões que desconheço, por uma espécie de intuição talvez, ao sair de casa lembrei-me de ver se o cartão estava no sítio devido. Não estava. Voltei a casa e procurei por todos os cantos durante 15 minutos, até que me lembrei, mais por falta de opções do que por convicção, que o poderia ter deixado no gabinete ou no carro da colega que eu conduzi para casa ontem. Lá fui eu até à recepção do centro dizer que me tinha esquecido do cartão e deram-me um provisório para eu poder entrar. Chegada ao edifício onde trabalho, fui ao carro da minha colega (que não sabia nada do cartão) procurar junto ao banco do condutor, o único que tinha utilizado, mas o cartão não aparecia. Por descargo de consciência, procurei também do lado do passageiro, e lá estava ele, arrumadinho no compartimento da porta do pendura. Como é que ele foi lá parar, não faço ideia. Parece que o meu cérebro gosta de pregar estas partidas e apaga momentos que considera desinteressantes…só para me dar uma manhã atribulada de vez em quando.

2 comentários:

  1. Está tudo bem Sandrita? Sentiste o terramoto? Beijinhos!

    ResponderEliminar
  2. Olá Isa,

    Está tudo bem, obrigada. O terramoto não se sentiu aqui, mas sei que L'Aquila (a águia, em italiano), localizada a cerca de 100 km de Roma, tem o centro historico destruido. Sentiu-se em Roma, mas nada de grave aconteceu fora do epicentro. Baci

    ResponderEliminar